Minimalismo?


Acredito que “ter uma vida minimalista” tenha um significado diferente para cada um. Para mim é me sentir um pouco mais livre, me preocupar menos com coisas e mais com pessoas e simplificar a minha vida financeira (ainda mais agora que estou saindo de um buraco que eu mesma cavei — mas quem nunca?)

Nos últimos meses minha vida mudou drasticamente e não somente devido a fatores externos. Eu mudei muitas coisas em mim mesma.

Talvez uma das decisões de maior impacto tenha sido tomada quando eu pensei “quero ser mais simples, quero viver com menos”.

Não, não foi fogo no rabo influenciado pelo documentário Minimalism (que é excelente, inclusive). Pelo contrário: só fui atrás desse documentário e outros materiais e depoimentos sobre minimalismo depois de ter tomado essa decisão.

Minha ideia nunca foi (e ainda não é) seguir e difundir algum movimento cultural ou coisa do tipo. Eu só queria ser mais simples, eliminar os excessos e não necessariamente cortar tudo (talvez um dia eu chegue lá).

Essas são algumas das atitudes que tomei e que vem mudando (aos poucos e pra melhor) minha vida:

1. Minha vida numa mochila

Basicamente, tudo que carrego na minha mochila é o suficiente pra me deixar confortável quando estou fora de casa. Se no meio do dia eu descobrir que preciso passar a noite fora, tudo bem.

E isso por que carrego muita coisa?

Não.

Porque eu preciso de pouco pra ficar tranquila.

Notebook, alguns acessórios do notebook, caderno, canetas, Kindle, chave de fenda e Philips (nunca se sabe), escova de dentes.

Numa emergência, se precisar dá pra lavar roupa na pia ou no chuveiro ¯\_(ツ)_/¯

Dá pra melhorar o “kit vida”? Dá. Work in progress.

2. Sem notificações no celular

Uma das melhores coisas que fiz na vida!

O único app que ainda tem notificações ativadas é o Telegram e, mesmo ele, em geral deixo com todas as pessoas e grupos silenciados, com exceção de uma ou outra pessoa em especial.

Eu quem controlo meu tempo, não as outras pessoas. Dessa forma eu posso, poucas vezes por dia, só passar os olhos por todas as mensagens, emails e etc que recebi e tomar as ações que são realmente necessárias. Não gasto energia à toa.

Se for realmente importante ou alguma emergência, vão me ligar.

3. Mais espaço no guarda-roupa

Quem me conhece sabe que eu já quase não compro roupas e a maior parte das peças do meu vestuário são camisetas de eventos ( ¯\_(ツ)_/¯ )

Mesmo assim, na minha última mudança de apartamento eu doei muita roupa e muitos sapatos, o que me deixou com uma quantidade consideravelmente menor de peças.

Ainda não é o ideal, mas já é alguma coisa. Meu objetivo? TODAS as minhas roupas devem caber em uma mala só.

Mais fácil de lavar, de carregar, de guardar e evita aquela angústia matinal do “o que eu vou vestir hoje?”.

Já parou para pensar se você REALMENTE precisa de todas as roupas que tem? Para quê?

Usar uma combinação diferente todos os dias do mês?

Não repetir roupa em festa?

Você faz isso por você ou é pelo julgamento dos outros? “Nossa, fulana usou esse vestido no casamento do ciclano”.

Repare que, em geral, os julgamentos que você teme são os mesmos que você faz, às vezes sem perceber.

4. Menos coisas em casa

Eu tenho poucos móveis (e uma boa parte deles minha mãe que fez, se não eu teria menos ainda).

Evito comprar utensílios e nem muitas peças de decoração eu tenho.

Ainda estou desencaixotando algumas coisas da última mudança e já tenho uma caixa de “doações”, porque não tenho razões pra acumular nada, mesmo que sejam eletrônicos.

Mesmo os video-games: eu tinha 2, agora tenho 1 só.

Me desfiz do meu desktop, agora é só o notebook.

Me desfiz até da minha guitarra, agora é só o violão.

Sabe aquelas coisas das quais você não consegue se desfazer porque dá aquela dor no coração? Então, me desfiz de todas essas e posso garantir que essa dor no coração não durou nem até o dia seguinte.

5. Menos contas e cartões

Eu tinha conta em 3 bancos diferentes e 3 cartões de crédito diferentes.

Hoje eu tenho uma única conta, num banco 100% digital e um único cartão de débito. Yep, sem cartão de crédito.

Todos os meus ganhos e gastos ficam concentrados em um único lugar e a falta de um cartão de crédito me obriga a ter 100% de controle sobre meus gastos atuais e futuros.

Como eu faço quando preciso de algum serviço ou produto que só aceita cartão de crédito? Peço ajuda dos amigos que tem Nubank: eles emitem um boleto pra mim no valor da minha compra, eu pago e eles passam o cartão pra mim.

Voltarei a ter cartão de crédito? Sim. Mas só daqui uns meses, quando minha mente estiver bem acostumada ao raciocínio financeiro que tenho agora.

Eu sou uma pessoa com tendência a fazer várias coisas da vida, o tempo todo: trabalho, comunidades, palestras, banda, estudos variados, viagens. Com tanta coisa acontecendo ao mesmo tempo, simplificar minha vida é uma das maneiras de diminuir minhas preocupações e abrir espaço para o que mais tem valor pra mim: pessoas e experiências.

Claro que simplificar a sua vida pode implicar em outras coisas bem diferentes do que eu descrevi aqui, mas a essência é sempre a mesma, como é dito nesse artigo no The Minimalists:

Minimalism is a lifestyle that helps people question what things add value to their lives. By clearing the clutter from life’s path, we can all make room for the most important aspects of life: health, relationships, passion, growth, and contribution.

Se você tem outras ideias sobre o que é minimalismo ou outras boas dicas de como simplificar a vida eu gostaria de saber :)

Categorias: Lifestyle

Tags: minimalismo